sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Qual o significado da palavra Missão ?


O que é Missão ?

"Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio a vós" (João 20:21)

Missão é um encargo, uma incumbência, um propósito, é uma função específica que se confere a alguém para fazer algo, é um compromisso, um dever, uma obrigação a executar.

Missão é um conjunto de pessoas que recebem um encargo a cumprir (missão diplomática, missão científica, missão empresarial, missão cultural etc.).

Para os cristãos, missão significa propagar o Evangelho. O missionário é aquele que tem a missão de divulgar a fé.

Segundo o professor Rui de Souza Josgrilberg, no livro Nós e a Missão, “A missão é a razão principal da existência da comunidade de fé... Tudo o que se faz na comunidade é feito em função da Missão.” Neste sentido, toda a ação da Igreja, seus planejamentos e objetivos devem girar em torno da missão.
A palavra “Missão” vem do verbo latim Mito, que significa enviar. No Novo Testamento, esta palavra vem do grego APOSTELLO, que tem o mesmo significado em sua essência. No entanto, este termo “Missão/Missões” só chamou a atenção da igreja Cristã a partir do século XVI período este quando a reforma protestante começou a investir na obra da evangelização mundial.

Quando falamos de Missão e Missões, o conceito que todos têm é que não passam de duas palavras sinônimas, diferentes só porque uma é singular e a outra é plural.


MISSÃO – trata-se do desígnio bíblico, completo da Igreja de Jesus Cristo. Este é um termo vasto que inclui o ministério voltado para cima, para dentro e para fora da Igreja. É A igreja enviada (Peregrina, estrangeira, testemunha, profética, serva, como o sal e luz e etc), neste mundo. 

MISSÕES – pode ser definido como um termo específico e especializado. Refere-se ao envio de pessoas autorizadas para áreas além das fronteiras da Igreja do Novo Testamento e sua imediata influência cristã para proclamar o Evangelho de Jesus Cristo em áreas destituídas deste, com objetivo de levar o Evangelho de Cristo para alcançar aqueles que não têm Cristo, estabelecendo o funcionamento e multiplicação de trabalhos missionários locais que irão cultivar o cristianismo neste país. 

Certa vez Thomas de Aquino disse: “Deus capacita os incapacitados.” É Deus quem nos chama, é Ele quem aperfeiçoa os nossos dons e é Ele quem nos envia. Na história bíblica Deus usou homens de diferentes classes sócias e intelectuais para o exercício do ministério. Deus usou cobradores de impostos, carpinteiro, médico, boiadeiro, pescadores, construtor de tendas e Reis. A pessoa certa, no lugar certo, pelas razões certas faz toda a diferença no trabalho missionário. 

 "Onde há paixão fraca por Deus, o zelo para Missões também estará fraco." John Piper 

Fontes:
Significados
O que é Missão - Pr. Genildson
Ultimato - Pr. Clécio Uchoa

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Ministério Pedras Vivas - Pai nosso (Our father)


Pai nosso, nos céus
Santo é o Teu nome
Teu reino buscamos
Tua vontade vontade seja feita

Na terra como é nos céus
Deixe o céu descer
Na terra como é nos céus
Deixe o céu descer

Deixe o céu descer

Teu é o reino
Teu, o poder e Tua é a glória
Pra sempre, amém

Pai nosso que estás nos céus
Santificado seja o teu nome
Venha o teu reino
Seja feita a tua vontade
Assim na terra, aqui na terra
Como nos céus
Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia
Sacia nossa fome
Perdoa as nossas dívidas
Assim como perdoamos aos nossos devedores
Assim como imitamos os seus passos
Não nos deixes cair em tentação
Mas livra-nos do mal, livra-nos do mal
Porque teu, somente teu, totalmente teu
É o reino, o reino e o poder
E a glória, toda glória
Pra sempre, amém

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Fuja do pecado !


A palavra pecado significa "não atingir o alvo". A alvo, neste caso, é o padrão de perfeição estabelecido por Deus e vivido por Jesus. Avaliados neste contexto, é evidente que todos nós somos pecadores.

O Apóstolo Paulo diz em Romanos 3:23: "Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus". 

A ação do pecado é  destruidora desde começo , devemos fugr da tentação de agir como se fôssemos justos, especialmente ao tentar depender de nossas boas obras para alcançar justificação. 

"Se dissermos que não temos pecado nenhum, enganamo-nos a nós mesmos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós" (1 João 1:8-10).


Paulo, no entanto, nos dá mais um esclarecimento em Romanos 3:20, quando diz: "porquanto pelas obras da lei nenhum homem será justificado diante dele; pois o que vem pela lei é o pleno conhecimento do pecado". 

Deus quer que reconheçamos os nossos pecados. Mesmo os que nunca assassinaram ou cometeram adultério serão condenados por mentir, ou por cultuar falsos ídolos, como os ídolos da riqueza ou de poder, ao invés de adorar a Deus apenas. Devemos abandonar o pecado pois seu salário é a morte.




“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João, 1.9).

Sugestões para oração
1. Procure confessar não apenas o pecado específico, mas ainda a tendência pecaminosa, as suas limitações e coisas assim como a falta de entusiasmo, as dúvidas doutrinárias, o abandono do primeiro amor, a impaciência, a sensibilidade exagerada, o fervor cego etc.
2. Agradeça o resultado de uma confissão honesta.
3. Peça capacidade para perdoar o seu irmão até setenta vezes sete (Mt 18.22) ou sete vezes ao dia (Lc 17.4).
Fontes: All About God - Ultimato  - Biblia Plenitude



quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Castidade e sexo antes do casamento: uma perspectiva bíblica



A questão da sexualidade está no centro dos debates atuais na sociedade pós-moderna. Uma agenda de desconstrução dos valores bíblicos foi estabelecida, onde a banalização e a relativização da castidade e virgindade são disseminadas e encorajadas abertamente por todos os meios midiáticos e segmentos sociais. Através do presente texto enfatizamos a necessidade de entender a questão biblicamente, para que os fundamentos de nossa fé e prática sejam fortalecidos em torno da questão.


SOBRE O TERMO GREGO PORNEÍA
Em primeiro lugar, é importante considerar o significado do termo grego porneía. O termo foi traduzido por “fornicação” na seguinte passagem da Almeida Revista e Corrigida: “Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da fornicação; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Bem vos vá.” (At 15.29)



A mesma passagem na Almeida Revista e Atualizada ficou assim: “que vos abstenhais das coisas sacrificadas a ídolos, bem como do sangue, da carne de animais sufocados e das relações sexuais ilícitas; destas coisas fareis bem se vos guardardes. Saúde.”



Conforme Louw e Nida, o termo porneía significa “imoralidade sexual de qualquer tipo”, e faz alusão, por exemplo, às passagens bíblicas de 1Coríntios 6.18, 1Tessalonicenses 4.3, Judas 7 e Apocalipse 21.8.1



Haubeck e Siebenthal definem porneía como: “indecência, relação sexual ilícita de todo tipo, prostituição, ato de contrair matrimônios proibidos.”2



Taylor traduz porneía como “fornicação, co-habitação, adultério,3 e Barclay afirma que a palavra é usada geralmente para as relações e relacionamentos sexuais ilícitos e imorais.4

SOBRE A LEGITIMAÇÃO DO SEXO ATRAVÉS DO CASAMENTO
Paulo, ao alertar a igreja de Corinto sobre o perigo da impureza (porneías), orienta a prática sexual dentro do casamento: “Quanto ao que me escrevestes, é bom que o homem não toque em mulher; mas, por causa da impureza, cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido.” (1Co 7.1-2, ARA)



A vida sexual no mundo grego-romano dos tempos bíblicos era um caos. Na Grécia, não havia nenhum sentimento de vergonha nas relações sexuais antes do casamento ou fora dele. Paulo coloca-se contra essa imoralidade sexual, e chega a espantar-se com o fato de que os coríntios não estão envergonhados diante do caso do homem que está mantendo relações sexuais com a esposa de seu pai (1 Co 5.1).5



Deus foi o realizador do primeiro casamento (Gn 2.18-25). Estando o casamento não sujeito a um padrão cerimonial bíblico, entende-se que Deus o concebe conforme o tempo, cultura, costume e padrões locais normativos da sociedade, desde que tais padrões não infrinjam alguns princípios estabelecidos na Bíblia Sagrada, dentre os quais, a heterossexualidade e a fidelidade conjugal (Gn 1.27, 2.22-25; Ex 20.14, 17; 1Tm 3.2;). O casamento envolve compromisso público e formal, e a observação das leis locais.



É dessa maneira que o sexo antes do casamento se enquadra na categoria de imoralidade sexual, e na condição de imoralidade sexual os seus praticantes são reprovados pelas Escrituras (Ef 5.5; 1 Tm 1.10; Hb 12.16; Ap 21.8). 



Conforme McDoweel: 



Quando um jovem se envolve com sexo pré-nupcial, ocorre muitas vezes uma profunda perda de respeito, não somente pelo próprio corpo, mas também pelo do companheiro. E quando esse respeito deixa de existir, fica muito mais fácil para uma pessoa tornar-se promíscua.6



Escrevendo aos solteiros e viúvos que tinham que lidar com o “abrasamento” (gr. pyrousthai, arder em desejo sexual, ser consumido pela paixão), Paulo não recomenda a prática do sexo antes do casamento para atenuar ou saciar  tal condição, antes diz: “E aos solteiros e viúvos digo que lhes seria bom se permanecessem no estado em que também eu vivo. Caso, porém, não se dominem, que se casem; porque é melhor casado que viver abrasado.” (1Co 7.8-9, ARA)



O jovem cristão que já se envolveu em carícias íntimas no namoro, ou que já chegou ao ponto da prática sexual antes do casamento, sabe o quanto isso comprometeu sua vida espiritual, emocional e social. A quebra de princípios bíblicos sempre resulta em diversos males para o transgressor.

SOBRE O VALOR DA CASTIDADE OU VIRGINDADE NA BÍBLIA
Há várias passagens bíblicas que destacam o valor da virgindade, do se manter “puro” antes do casamento. Vejamos algumas:



Viúva, ou repudiada, ou desonrada, ou prostituta, estas não tomará (o sumo sacerdote), mas virgem do seu povo tomará por mulher. (Lv 21.14, ARA)

Se um homem casar com uma mulher, e, depois de coabitar com ela, a aborrecer, e lhe atribuir atos vergonhosos, e contra ela divulgar má fama, dizendo: Casei com esta mulher e me cheguei a ela, porém não a achei virgem, então, o pai da moça e sua mãe tomarão as provas da virgindade da moça e as levarão aos anciãos da cidade, à porta. O pai da moça dirá aos anciãos: Dei minha filha por mulher a este homem; porém ele a aborreceu; e eis que lhe atribuiu atos vergonhosos, dizendo: Não achei virgem a tua filha; todavia, eis aqui as provas da virgindade de minha filha. E estenderão a roupa dela diante dos anciãos da cidade, os quais tomarão o homem, e o açoitarão, e o condenarão a cem siclos de prata, e o darão ao pai da moça, porquanto divulgou má fama sobre uma virgem de Israel. Ela ficará sendo sua mulher, e ele não poderá mandá-la embora durante a sua vida. (Dt 22.13-19, ARA)



Jerusalém é chamada de virgem:



Que poderei dizer-te? A quem te compararei, ó filha de Jerusalém? A quem te assemelharei, para te consolar a ti, ó virgem filha de Sião? Porque grande como o mar é a tua calamidade; quem te acudirá? (Lm 2.13)



A Igreja é comparada a uma virgem:



Porque zelo por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo. (2 Co 11.2)



O jovem José, antes de qualquer preceito da Lei ser escrito, tinha a consciência de uma ética sexual a ser observada diante de Deus:



Aconteceu, depois destas coisas, que a mulher de seu senhor pôs os olhos em José e lhe disse: Deita-te comigo. Ele, porém, recusou e disse à mulher do seu senhor: Tem-me por mordomo o meu senhor e não sabe do que há em casa, pois tudo o que tem me passou ele às minhas mãos. Ele não é maior do que eu nesta casa e nenhuma coisa me vedou, senão a ti, porque és sua mulher; como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus? (Gn 39.7-9, ARA)



Concluímos então que é possível compreender através da Bíblia que o sexo antes do casamento é pecado, considerado impureza sexual, e por isso, passivo de repreensão e das suas consequências negativas para o transgressor. Castidade e virgindade são características de um viver santo para a glória de Deus. O casamento continua sendo a condição bíblica que legitima a prática sexual entre homem e mulher. O rótulo de fundamentalistas nos imposto pelos liberais e ativistas da revolução/banalização sexual, não deve nos intimidar, nem nos remover das nossas convicções, da verdade imutável da Palavra de Deus.
________________________________________
1LOUW, Johannes; NIDA, Eugene. Léxico Grego-Português do Novo Testamento: baseado em domínios semânticos. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2013, p. 685.
2 HAUBECK, Wilfrid; SIEBENTHAL, Heinrich Von. Nova chave linguística do Novo Testamento grego. São Paulo: Targumim/Hagnos, 2009, p. 804.
3 TAYLOR, W. C. Dicionário do Novo Testamento Grego. 10. Ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1991, 181.
4 BARCLAY, William. As obras da carne e o fruto do Espírito. São Paulo: Vida Nova, 2000, p. 25.
5 Ibid., p. 26-28.
6 McDOWELL, Josh. Como evitar que o jovem sofra com as paixões sexuais. 2 ed. São Paulo: Bom Pastor, 1994, 162.


Licenciado em Pedagogia (FUNESO), Bacharel em Teologia (FATEADAL), especialista em Educação Cristã (Seminário Presbiteriano do Norte – SPN)) e Psicopedagogia (FUNESO), e mestre em Teologia (Seminário teológico Pentecostal do Nordeste - STPN)). Atualmente é pastor 1º Vice-Presidente da Assembleia de Deus em Abreu e Lima-PE, Vice-Presidente do Conselho de Educação e Cultura da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil – CGADB.




domingo, 2 de agosto de 2015

32 Perguntas para os Adoradores Modernos


Uma artigo sincero do Phil Loose no maravilhoso site We are Worship, Faz algumas perguntas para nossa reflexão sobre a adoração e as tecnologias, aonde algumas igrejas tem mais equipamentos que lojas de música e que não perde em nada a estrutura de grande eventos.

1. Eu amo a tecnologia demais?
2.Eu quero ver mais do mesmo porque, francamente, é brilhante?
3. Como equilibro tudo isso com o conhecimento de que eu não sou a estrela?
4. Será que eu realmente sei que não sou?
5. Estou certo?
6. Qual de nós não verificamos os nossos cabelos ou pensamos duas vezes sobre qual roupa vou usar antes de liderar a adoração?
7. Qual de nós nunca secretamente adoravamos quando as pessoas diziam 'nós adoramos quando você lidera "?
8. [E se a resposta a essa última for 'Eu não', tem certeza que você não está mentindo?]
9. Será que a maneira como você conduz a adoração e da mesma maneira como você vive isso? 
10. A sua congregação precisam de modismo para levar a adorar a Deus?
11. Você precisa de um pouco mais de tempo para responder a esses dois últimos?
12. OK. Você está pronto agora?
13. Bom. Então, e se ninguém apareceu para operar o som?
14. Será que o teclado assim mesmo ligar?
15. E porque ninguém pensou em  esconder um acordeão como um prático reposto?
16. E se o vídeo não funcionar e as luzes em movimento decidirem ficar de greve? 
17. O que seria restar9a?
18. Você poderia lidar com isso?
19. Será que a congregação está de acordo com mais tambores? 
18. Mas o que se não é acústico?
20. Com quantas pessoas você ficaria feliz em liderar somente com violão? 
21. E quanto ao seu pregador, eles iriam lidar com isso? 
23. Você acredita que tem tudo para está bem? 
24. Você vê a adoração como tendo esse tipo de poder?
25. Você e sua congregação saber que realmente o que é a realidade?
26. Será que a maneira que sua congregação adora vem do coração? 
27. O seu orçamento de tecnologia foi gasto em evangelismo?
28. Esqueça isso. Você pode voltar a questionar 26? 
29. Qual seria a sua aparência para ver a tecnologia como uma ferramenta e não uma jóia?
30. O que significa ter um melhor equilíbrio? 
31. Às vezes, todos nós precisamos verificar os nossos motivos, não é?
32. OK. Perguntas suficientes. Gosta de um café? 

Fonte:We are Worship - Tradução Segredo de Davi


quarta-feira, 29 de julho de 2015

Conheça o Projeto Missionário Paixão por Missão


Formado em 2009, o projeto missionário Paixão por Missão começou com viagens missionárias e conferencias de missões e trabalhos evangelísticos. Hoje conta com voluntários e parceiros para suas atividades.

Veja o vídeo e conheça um pouco desta obra de Deus, ao qual tenho o prazer de ajudar.


Você pode ajudar.

Paixão por Missão pede a sua ajuda para  seus trabalhos missionários e evangelísticos

Seja um intercessor

Você pode nos ajudar sendo um intercessor deste ministério, preenchendo o formulário online.
Marque seu horário de oração
http://form.jotformz.com/form/50011149429649 

Seja um contribuidor

Nosso projeto missionário tem alcançado vidas em diferentes países e comunidades, você pode nos ajudar, fazendo uma doação online das seguinte maneiras.

Via Paypal
 

Via Pagseguro




Via Deposito bancário







Muito Obrigado Deus te abençoe

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Escola púbica terá de pagar multa após pastor orar em evento

Ateus processaram direção por ter “promovido o cristianismo”

Um juiz federal em Mississippi condenou o distrito escolar do condado de Rankin, no Mississipi, por ter “promovido o cristianismo” durante eventos escolares. A multa estipulada foi 7.500 dólares (cerca de 22 mil reais) e veio como ganho de causa para uma organização ateísta.
A Associação Humanista Americana (AHA), grupo que luta contra o ensino religioso nos Estados Unidos, entrou com um processo contra a escola de ensino médio Northwest Rankin.
O motivo foi a presença do pastor Rob Gill, da igreja batista da cidade, em uma reunião na escola. Nela foi exibido um vídeo sobre como os jovens devem enfrentar problemas como sexo antes do casamento, drogas, suicídio e outras questões.
Um breve vídeo com o testemunho de dois adolescentes que conseguiram superar essas lutas por causa de sua fé em Jesus Cristo. O pastor também explicou aos estudantes sobre a esperança que Cristo oferece e encerrou pedindo que os estudantes orassem com ele.
Quando soube do ocorrido, a AHA enviou uma carta aos funcionários da escola, comunicando que entraria com uma ação judicial. Em sua defesa, a escola argumenta que o convite ao pastor surgiu de um grupo de alunos que desejavam compartilhar algo positivo com seus colegas e que nenhum aluno foi obrigado a ficar.
Agindo em nome de um aluno que frequenta a escola de Rankin e sentiu-se ofendido, o grupo ateísta exige a proibição de qualquer religião durante eventos escolares, por se tratar de um órgão público. Eles anexaram à queixa o relato da distribuição de Novos Testamentos feito pelos Gideões Internacionais aos alunos dentro da escola.
Quem julgou o caso foi um juiz federal designado pelo presidente Barack Obama, que vem enfrentando várias disputas com organizações cristãs por conta de sua política liberal. Ele condenou o distrito escolar. Além de precisar pagar os 7.500 dólares agora, caso venha a se repetir qualquer tentativa de “promover o cristianismo”, o distrito terá de pagar US$ 10.000 por “incidente”.
Não é o primeiro caso do tipo nos EUA. A organização American Civil Liberties Union (ACLU) venceu um processo judicial no Estado do Kentucky exigindo a proibição da distribuição de Bíblias dos Gideões nas escolas públicas. Com informações de Christian News e Headlines via GospelPrime


segunda-feira, 20 de julho de 2015

Você tem amigos na igreja? #diadoamigo



Há metas de palestras de casamento, retiros e conferências. Há séries de vídeos e livros para recém-casados e noivos. A maioria das igrejas oferece aconselhamento conjugal, e a maioria dos pastores prega sobre isso com alguma regularidade na igreja. E o mesmo é verdade com relação à criação de filhos. Há dezenas de livros a respeito disso. Existem a EBD, blogs e ministérios que se concentram no relacionamento entre pais e filhos. Tudo isso é bom.

Mas você já notou que raramente estudamos sobre a amizade? Entre os relacionamentos mais importantes, a amizade é a menos abordada na igreja.

Pense sobre as suas maiores alegrias na vida. Elas provavelmente orbitam em torno dos seus amigos — os bons momentos passados juntos, as grandes conversas, as risadas, o compartilhar, o prazer de se relacionar intimamente (não de fazer panelinha!) com outra pessoa ou com um grupo de pessoas.
Agora pense nos momentos mais dolorosos da vida. Sem dúvida, doença e tragédia estão na lista. E ainda assim, frequentemente, tais dificuldades são amenizadas pelo apoio de amigos e família. Mas quando a amizade vai mal — quando as coisas ficam constrangedoras ou quando você se sente excluído — nenhuma saúde ou prosperidade pode preencher o vazio. Muitas coisas ruins podem se tornar maravilhosas com amigos, e quase tudo o que há de bom pode ser terrível sem eles.

O pior verão da minha vida foi o verão que passei enfurnado em uma cabana nas montanhas do Colorado, trabalhando em um livro de estudos sobre governo nacional. Por três meses eu trabalhei 10 horas por dia estudando ciência política com um colega de classe e o nosso professor da faculdade. Nós não tínhamos eletricidade (nós recarregávamos nossos laptops na cidade todos os dias) nem encanamento interno (nós usávamos uma casinha). Mas esse não era o problema principal. Eu me acostumei com o estilo de vida rústico. O problema era a falta de amigos. Eu estava cercado de beleza natural sublime, trabalhando em algo que eu gostava bastante e tinha tempo livre todas as noites e todos os fins de semana para ler, correr ou explorar. Mas eu estava triste, porque eu me sentia completamente sozinho.

É surpreendente que não falemos com mais frequência sobre amizade na igreja. Dependendo de como você define amizade, a Bíblia pode ter mais a dizer a respeito do relacionamento entre amigos do que sobre casamento e o relacionamento entre pais e filhos. Além disso, eu aposto que a “satisfação” da igreja é amplamente baseada em duas coisas. Se você encontra alegres frequentadores, estou certo de que você encontra esses dois itens presentes, e onde os membros estão descontentes, posso quase garantir que essas duas coisas estão faltando: ensino de qualidade e relacionamentos de qualidade. Sem dúvida, há muitos outros aspectos importantes da vida eclesiástica. Mas para a maioria das pessoas, esses são os que mais importam. As pessoas querem uma igreja que as ensine bem (o que inclui sermões, louvores, classes e estudos bíblicos) e uma igreja onde elas possam fazer amigos.
Eu não sei se fazer amigos está mais difícil do que nunca. De certa maneira, com a possibilidade de viagens e a tecnologia, está mais fácil do que costumava ser. Mas ainda há diversos fatores que diminuem a possibilidade de amizade genuína.

  • Somos extremamente móveis, nos mudando de lugar em lugar, raramente ficando estabelecidos em um local por um longo período.
  • Somos consumidos pela vida familiar, colocando quase todo o nosso tempo livre em nossos filhos e, o que resta, em nossos cônjuges.
  • Somos enganados pelo e-mail e pelo Facebook, imaginando que temos centenas de relacionamentos espetaculares quando, na verdade, temos um monte de “torcedores”, conhecidos e poucos amigos de carne e osso.
  • Somos fascinados por relacionamentos de mão única, gastando energia emocional ao criarmos laços com nosso ator favorito, nosso atleta favorito ou nosso concorrente favorito do American Idol.
  • Amizade é algo maravilhoso e todos nós queremos uma. Mas amigos podem ser difíceis de conseguir. Isso não é novidade. Um verdadeiro amigo sempre foi um dos dons de Deus mais buscados. “Muitos proclamam a sua própria benignidade; mas o homem fiel, quem o achará?” (Provérbios 20:6). Felizmente, o livro de Provérbios fala muito de amizade. Ele não irá ajudá-lo a encontrar amigos, pelo menos não diretamente. Mas Provérbios o ajudará a ser um amigo melhor. E os melhores amigos normalmente têm os melhores amigos.
Em particular, Provérbios nos convida a fazer três perguntas relativas à amizade: Você é falso? Você é desagradável? Ou você é fiel?

Por: Kevin DeYoung; Original: The gift of friendship and The godliness of good friends; Copyright © The Gospel Coalition; Website: TheGospelCoalition.orgTradução: Alan Cristie; Revisão: Renata do Espírito Santo; Original: O Dom da Amizade: você tem amigos na igreja? (1/4); Copyright © Voltemos ao Evangelho; Website: VoltemosAoEvangelho.com.

Feliz dia do Amigo



quinta-feira, 16 de julho de 2015

Ganhando dinheiro com o Beruby


 
Beruby é um cashback onde os usuários recebem um reembolso em dinheiro por cada compra que realizarem nas mais de 250 lojas ou sites parceiros.

É muito confiavel e praticamente qualquer compra que você realize nas mais de 250 lojas disponíveis em beruby irão gerar um reembolso que você vai poder ver no seu saldo em beruby e sacar por PayPal. Estas comissões são atribuídas pelas lojas e beruby repassa o valor total aos usuários.você receberá um reembolso pelas suas reservas de voos, hotéis, aluguel de carros, etc. O dinheiro poderá ser sacado através da sua conta PayPal. As reservas que você faz nos seus sites de viagens favoritos geram um dinheiro extra graças ao modelo de cashback de beruby.

existem muitas outras maneiras de economizar nas suas compras online, como os cupons ou códigos de desconto que você encontra da seção de Ofertas. Você também pode ganhar dinheiro sem ser necessário comprar (por exemplo, responder a questionários, visualizar vídeos, registros, etc) e assim obter mais economias na Internet.



beruby foi criado em Julho de 2007 na Espanha e atualmente tem presença em 14 países. A empresa superou os 2 milhões de usuários registrados com um volume de compras anual de mais de 20 milhões de euros. Em beruby realizam-se por mês 2,5 milhões de visitas e 10 milhões de páginas vistas.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

O que diz a Bíblia a respeito de tatuagens e piercings?



A lei do Velho Testamento ordenou aos israelitas: “Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor” (Levítico 19:28). Portanto, apesar de não estarem os crentes sob a lei do Velho Testamento nos dias de hoje (Romanos 10:4; Gálatas 3:23-25; Efésios 2:15), o fato de ter havido um uma ordem contra tatuagens deveria nos fazer pensar sobre a questão. O Novo Testamento não faz menção sobre os crentes fazerem ou não tatuagem.

Em relação às tatuagens e piercings, um bom teste é determinar se podemos ou não, com honestidade e sã consciência, pedir a Deus que abençoe e use esta atividade particular para Seus bons propósitos. “Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus” (I Coríntios 10:31). A Bíblia não se coloca condenando tatuagens ou piercings, mas também não nos dá razão alguma para crermos que Deus nos deixaria fazê-los.

Outra questão a considerar é o recato. A Bíblia nos instrui ao recato no vestir (I Timóteo 2:9). Um aspecto do vestir recatadamente é nos certificarmos de que cada parte que precisa ser coberta com roupas está adequadamente vestida. Entretanto, o significado essencial do recato é não chamar atenção para si mesmo. As pessoas que se vestem com recato o fazem de maneira tal que jamais chamam atenção para si mesmas. Tatuagens e piercings, com certeza, são chamativos. Neste sentido, as tatuagens e piercings não são recatados.

Um princípio importante das escrituras a respeito de casos sobre os quais a Bíblia não lida especificamente é que, se há dúvidas se isto agrada ou não a Deus, então é melhor não fazê-lo. 
“Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado” (Romanos 14:23). 
Precisamos ter em mente que nossos corpos, assim como nossas almas, foram redimidos e pertencem a Deus. Apesar de não se aplicar diretamente a tatuagens e piercings, I Coríntios 6:19-20 nos dá um princípio: “Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.” Esta grande verdade deve sempre pesar no que fazemos e até onde podemos ir em relação a nossos corpos. Se nossos corpos pertencem a Deus, deveremos sempre nos certificar de que temos Sua clara “permissão” antes de neles deixarmos “marcas” com tatuagens e piercings.


Qual a sua opinião sobre isso ?





quarta-feira, 8 de julho de 2015

Os Jovens moravianos



Descrição do avivamento acontecido no século XVI na Morávia.


Os Moravianos foram os primeiros protestantes a colocar em prática a idéia de que a evangelizacão dos perdidos é dever de toda a igreja, e não somente de uma sociedade ou de alguns indivíduos.

Paul Pierson, missiólogo, escreveu: “Os Moravianos se envolveram com o mundo das missões como uma igreja, isto é, toda a igreja se tornou uma sociedade missionária”. Devido ao seu profundo envolvimento, esse pequeno grupo ofereceu mais da metade dos missionários Protestantes que deixaram a Europa em todo o século XVIII.

Devido os Moravianos terem sido pessoas sofredoras, podiam facilmente se identificar com aqueles que sofriam. Eles iam àqueles que eram rejeitados por outros. Dificilmente qualquer missionário seria mandado para a costa leste de Honduras ou Nicarágua. Essas partes da América Central eram inóspitas. Lá, contudo, estavam os Moravianos. Isso era característico da vocação missionária deles; eles se dirigiam a pessoas receptivas. Devido ao fato de os Moravianos crerem ser o Espírito Santo o “Missionário” primário, aconselhavam seus missionários a “procurarem as primícias, procurarem aquelas pessoas que o Espírito Santo já havia preparado, e trazer-lhes as boas novas”. Eles colocavam o crescimento do reino de Cristo acima de uma expansão denominacional. A obra missionária Moraviana era regada de oração. 

No ano de 1727, em Herrnhut na Alemanha , ocorreu um grande avivamento espiritual, os Moravianos começaram uma vigília de virada de relógio, vinte e quatro horas por dia, sete dias por semana, trezentos e sessenta e cinco dias por ano. Nesse período o livro devocional conhecido como Lemas Diários, que ainda tem sido publicado pela Igreja Moraviana, era o devocional mais amplamente usado entre os cristãos europeus. O ministério Moraviano era fortemente regado por oração.

Os Dois Jovens Moravianos

Durante esse período dois jovens Moravianos, de 20 anos ouviram sobre uma ilha no Leste da Índia cujo dono era um britânico agricultor e ateu, este tinha tomado das florestas da África mais de 2000 pessoas e feito delas seus escravos, essas pessoas iriam viver e morrer sem nunca ouvirem falar de Cristo. 


Esses jovens fizeram contato com o dono da ilha e perguntaram se poderiam ir para lá como missionários, a resposta do dono foi imediata: “Nenhum pregador e nenhum clérigo chegaria a esta ilha para falar sobre esta coisa sem sentido". Então eles voltaram a orar e fizeram uma nova proposta: "E se fossemos a sua ilha como seus escravos para sempre?", o homem disse que aceitaria, mas não pagaria nem mesmo o transporte deles. Então os jovens usaram o valor de sua própria venda pelo custo de sua viagem.

No dia que estavam no porto se despedindo do grupo de oração e de suas famílias o choro de todos era intenso, pois sabiam que nunca mais veriam aqueles irmãos tão queridos, quando o navio tomou certa distância eles dois se abraçaram e gritaram, e suas últimas palavras ouvidas foram: "QUE O CORDEIRO QUE FOI IMOLADO RECEBA A RECOMPENSA DO SEU SOFRIMENTO". 



Artigos Recentes