Header Ads

O Perfil do obsessivo - Francis Chan



Que ou aquele que sofre de obsessão ou neurose obsessiva". Dicionário Houaiss da língua portuguesa, versão online, 2 a def  



A idéia de reter as coisas certamente não é bíblica. A Palavra de Deus nos ensina a ser consumidos por Cristo e pôr fielmente em prática suas palavras. 

O Espírito Santo nos proporciona alegria e paz quando nos concentramos em Jesus, vivendo pela fé e focados na vida por vir. Gente que ama Às vezes, achamos que, se somos bons, as pessoas saberão que somos cristãos e desejarão saber mais sobre Jesus. Mas não é bem assim que funciona. Conheço muita gente boa que não conhece Cristo — aliás, são pessoas mais legais e divertidas que muitos cristãos por aí. Nossa fé não se resume a amizade, educação e até gentileza. Jesus nos ensina no evangelho de Lucas: 

Que mérito vocês terão, se amarem aos que os amam? Até os "pecadores" amam aos que os amam. E que mérito terão, se fizerem o bem àqueles que são bons para com vocês? Até os "pecadores" agem assim. E que mérito terão, se emprestarem a pessoas de quem esperam devolução? Até os "pecadores" emprestam a "pecadores", esperando receber devolução integral. Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. Então, a recompensa que terão será grande e vocês serão filhos do Altíssimo, porque ele é bondoso para com os ingratos e maus. Sejam misericordiosos, assim como o Pai de vocês é misericordioso. Lc 6:32-36. A verdadeira fé é amar uma pessoa depois que ela nos magoa. O verdadeiro amor nos distingue. Em outubro de 2006, perto de Lancaster, na Pennsylvania, um homem atacou uma escola da comunidade amish e matou várias meninas. 

No dia seguinte ao tiroteio, muitos amish visitaram a família do atirador para dizer que o haviam perdoado. Esse tipo de perdão não pode ser compreendido pelo mundo. Por causa disso, aquelas famílias foram acusadas de não amar os filhos, de não saber lidar com a raiva e de viver uma mentira. 

É exatamente esse tipo de amor que o mundo considera uma loucura: o amor verdadeiro, um tipo de amor que não se pode encontrar em lugar algum. Só em Cristo. Temos o mandamento de amar nossos inimigos e fazer o bem a eles. 

Quem são os nossos inimigos? Ou, em termos que nos são mais acessíveis, quem são as pessoas a quem evitamos ou que nos evitam? Quem são aqueles que magoaram você, seus amigos ou seus filhos? Você está disposto a fazer o bem a essa gente? A alcançá-la com amor e perdão?

Geralmente, minha primeira reação quando alguém faz alguma coisa comigo — ou pior, com minha esposa ou um de meus filhos — é a retaliação. Não quero abençoar aqueles que magoam a mim ou às pessoas a quem amo. Eu não teria muita disposição de perdoar alguém que entrasse na escola de minha filha e atirasse nela e em outras crianças. No entanto, é exatamente isso que Cristo nos pede para fazer. Ele nos manda dar sem esperar nada em troca. Ainda em Lucas, Jesus diz: Quando você der um banquete ou jantar, não convide seus amigos, irmãos ou parentes, nem seus vizinhos ricos; se o fizer, eles poderão também, por sua vez, convidá-lo, e assim você será recompensado. Mas, quando der um banquete, convide os pobres, os aleijados, os mancos, e os cegos. Feliz será você, porque estes não têm como retribuir. A sua recompensa virá na ressurreição dos justos. Lucas 14:12-14. 

Você já fez alguma coisa assim? É capaz de doar àqueles que não podem retribuir? Àqueles que o prejudicariam, se pudessem? Àqueles que já o prejudicaram em algum momento? Esse é o amor de Cristo. Ele nos deu algo que nunca seremos capazes de retribuir, e depois nos pediu que fizéssemos o mesmo em relação às outras pessoas.

 Frederick Buechner escreveu em The Magnificent Defeat [A magnífica derrota]: O amor pelo semelhante é humano — o amor do amigo pelo amigo, do irmão pelo irmão. É amar o que merece e gera amor. 

O mundo sorri. O amor pelo menos afortunado é uma coisa muito bonita — amot pot aqueles que sofrem, pelos pobres, pelos doentes, pelos fracassados, pelos rejeitados. Isso é compaixão e mobiliza o coração de todas as pessoas. O amor pelos mais afortunados é coisa rara — amar aqueles que alcançaram o sucesso onde fracassamos, alegrar-se sem inveja com aqueles que se alegram, o amor do pobre pelo rico, do homem negro pelo branco. Os santos do mundo sempre o confundem. E então há o amor pelo inimigo — amor por aquele que não ama você, mas escarnece, ameaça e inflige sofrimento. O amor do torturado pelo algoz. Esse é o amor de Deus. Ele é capaz de conquistar o mundo. New York: The Seabury Press, 1966. 

Pessoas obcecadas por Jesus doam com liberdade e liberalidade, sem restrição. Pessoas obcecadas amam aqueles que as odeiam e que são incapazes de retribuir esse amor.

Fonto: Louco Amor - Francis Chan


Nenhum comentário

Comente e deixe sua opinião

Fique com Deus

Tecnologia do Blogger.